domingo, 28 de abril de 2013

Você se considera uma pessoa interessante?

Defino interessante os que sabem para o que vieram e demonstram da forma mais natural possível. Seja por um trejeito, um hobby, a forma de encarar o mundo, o olhar, experiências adquiridas, o relacionamento com o próximo.

Gosto de admirar pessoas de pulso, com propósito e que pensam diferente quando todos estão pensando igual.
Quero ver em primeiro lugar o que chega, as tendências das áreas que tenho afinidade, usar a mesma roupa cada vez de um jeito inédito.

Luto diariamente para driblar a rotina, a forma automática de pensar, de agir, de viver. De não ter vergonha de ser eu mesma, de ver um novo ângulo, andar por lugares que não passei antes, pensar em novos caminhos.

Rezo para sempre manter acesa a chama criativa e esta curiosidade de querer sempre mais. Transmitir para os outros esta alegria de viver e fazer história.

Especiais todos somos.
Interessantes, apenas uma pequena parcela do todo.
Faça acontecer!




Move Fast - Facebook Wall at its SP office



Música para lembrar dias de sol da infância

Pesquisando alguns vídeos na internet, encontrei esta linda, sublime e maravilhosa música.
Toca lá no fundo do coração, da alma e me traz lembranças de um dia de muito sol.
O clipe parece ser ambientado nos anos 60 - 70, como aqueles vídeos caseiros que a família fazia para gravar momentos inesquecíveis da nossa infância.
A música é a Home do Edward Sharpe and the Magnetic Zeros.

Bravo!




Home

[Her:]
Alabama, Arkansas,
I do love my ma and pa,
Not the way that I do love you.

[Him:]
Holy, Moley, me, oh my,
You're the apple of my eye,
Girl I've never loved one like you.

[Her:]
Man oh man you're my best friend,
I scream it to the nothingness,
There ain't nothing that I need.

[Him:]
Well, hot and heavy, pumpkin pie,
Chocolate candy, Jesus Christ,
Ain't nothing please me more than you.

[Both:]
Ahh Home. Let me come home
Home is wherever I'm with you.
Ahh Home. Let me go ho-oh-ome.
Home is wherever I'm with you.

La, la, la, la, take me home.
Mother, I'm coming home.

[Him:]
I'll follow you into the park,
Through the jungle through the dark,
Girl I never loved one like you.

[Her:]
Moats and boats and waterfalls,
Alley-ways and pay phone calls,
I've been everywhere with you.

[Him:]
We laugh until we think we'll die,
Barefoot on a summer night
Nothin' new is sweeter than with you

[Her:]
And in the streets you run afree,
Like it's only you and me,
Geeze, you're something to see.

[Both:]
Ahh Home. Let me go home.
Home is wherever I'm with you.
Ahh Home. Let me go ho-oh-ome.
Home is wherever I'm with you.

La, la, la, la, take me home.
Daddy, I'm coming home.

(Talking)
Him: Jade
Her: Alexander
Him: Do you remember that day you fell outta my window?
Her: I sure do, you came jumping out after me.
Him: Well, you fell on the concrete, nearly broke your ass, you were bleeding all over the place and I rushed you out to the hospital, you remember that?
Her: Yes I do.
Him: Well there's something I never told you about that night.
Her: What didn't you tell me?
Him: While you were sitting in the backseat smoking a cigarette you thought was gonna be your last, I was falling deep, deeply in love with you, and I never told you til just now.

[Both:]
Ahh Home. Let me go home.
Home is wherever I'm with you.
Ahh Home. Let me go ho-oh-ome.
Home is where I'm alone with you.

[Him:]
Home. Let me come home.
Home is wherever I'm with you.

[Her:]
Ahh home. Yes I am ho-oh-ome.
Home is when I'm alone with you.

[Her:]
Alabama, Arkansas,
I do love my ma and pa...
Moats and boats and waterfalls,
Alley-ways and pay phone calls...

[Both:]
Ahh Home. Let me go home.
Home is wherever I'm with you.
Ahh Home. Let me go ho-oh-ome.
Home is where I'm alone with you...



sexta-feira, 26 de abril de 2013

Dreams coming true: London here I go!

Tem gente que fala que eu sou teimosa, perseverante e batalhadora.
Concordo que estas características fazem parte da minha personalidade, pois sempre persisti naquilo que acredito e que em alguns momentos de ouro pude ser presenteada pela vida em ter alguns sonhos realizados.

Às vezes me lamento, de quão duras são certas situações que demoram (ansiosa também sou, é claro!) ou que por algum motivo injustamente não acontecem.

O que aprendemos com as pessoas e que levamos com a gente são algumas lições. Esta é a forma de perpetuar experiências, mesmo perdendo o contato com quem nos ensinou.

Digo isso, pois em uma fase da minha vida, percebi o quanto de esforço fiz para que algo acontecesse e não entendia o porquê que não vinha e um amigo um dia me falou sabiamente: "Mari, o que é nosso está guardado. Quando tem que acontecer, cai no nosso colo, sem planejarmos ou prevermos." 

Esta certeza sempre esteve guardada dentro de mim quando penso em Londres. Às vezes mais distante, outras nem tanto.
Desde pequena quando frequentava as aulinhas de inglês na Cultura Inglesa, aprendi a observar e desejar conhecer a capital da Inglaterra ao invés dos Estados Unidos. Vontade esta que veio crescendo a cada dia e se intensificou ainda mais quando trabalhava na Sagatiba. Não só tinha um contato intensíssimo com os ingleses por conta da agência com vários jobs, como editava as dicas dos fancy venues do site naquela época.

Aprendi e penei para entender o sotaque deles que (praticamente falam com uma batata na boca) e, principalmente entender este humor sarcástico que faz parte de sua cultura.

Logo que fui demitida da Saga, a primeira coisa que pensei foi pegar todas as minhas economias, arrumar as malas e ir para lá. Na ocasião, meu grande amigo Gabi já estava morando em Londres e me incentivou bastante além de eu ter alguns contatos na Europa pelo ex-trabalho.
Mas, como não era para ser naquele momento, quando me vi, em 2 meses já estava com carro e novo emprego. Sonho adiado.

A primeira vez que fui para Europa, em 2008, resolvi focar na Espanha, outro sonho realizado. Barcelona. Madrid. A língua espanhola que acompanhei por longos e deliciosos anos religiosamente nas aulinhas do Cervantes. Não foi desta vez.

No ano passado, acompanhei o reality show no qual o objetivo maior era Amsterdam. Ao fazer os planos, pensei em dar uma esticadinha até Londres e esse seria meu presente de trintão. Infelizmente a confirmação da viagem chegou 1 semana antes e não pude me planejar.

O melhor de tudo é que a ânsia e insistência de fazer minha viagem para Londres acontecer não me arrebatou, mas sempre esteve aqui dentro adormecida e com a certeza de que algum dia aconteceria.

Eis que um dia pela manhã há algumas semanas atrás, meu dotted-line boss me fala o seguinte: 
- Mari, sabe, vai ter um meeting e acho que seria importante você ir para resolvermos de uma vez por todas esta questão do marketing global. Vê se tem verba na sua área, fala com o seu chefe, mas qualquer coisa a gente dá um jeito.
- Onde vai ser o Meeting? (já pensando em Japão, Atlanta ou algo do tipo)
- Londres.
- É claaaaaaro que vou! :)

E assim foi como a viagem para Londres caiu no meu colo no momento mais inesperado, exatamente neste ano que o Projeto Everest está bombando (e, tks God! dando retorno), mas oportunidade como esta jamais podemos deixar passar.

Depois de uma semana árdua para convencer meu digníssimo esposo a ir comigo compartilhar deste momento mágico e único da minha vida, aqui estou de passagem comprada, hotéis reservados e com Edimburgo e Liverpool de presente.



From i can read - guardei esta imagem com carinho esperando o dia em que ela iria estrelar aqui no blog