terça-feira, 11 de setembro de 2012

Trintão, trintinha. É a idade chegando.

Nos últimos meses, tenho estado pensativa.
A cada semana que passa, essas "pensações" tem se intensificado.
São as três décadas que estão mais perto do que nunca.

Eu, que sempre adorei comemorar aniversários desde as festinhas com o palhaço Atchim e o balão de Ursinhos Carinhosos decorando o meio do salão, estou num completo vazio de como celebrar estes 30.

Um encontrinho em casa só para os mais chegados ou um barzinho com mais calor humano?

A passagem, na verdade, é o de menos.
O que tem ficado são os questionamentos se estou no caminho certo, o que eu construí até hoje e onde pretendo chegar.

Este "onde" é o que vejo um pouco mais nebuloso, pois o futuro é imprevisível.
Na verdade, sempre tive um sexto sentido ao tocar neste assunto de que, do nada, minha vida terá uma reviravolta e que farei coisas que jamais imaginei.
Às vezes acho que isso pode ser uma fuga, apegar-me a algo que inexiste. O que estou construindo hoje para que este dia se torne realidade?

Bem, um "dezão" carimbado na minha monografia e todas as emoções que a envolveram deu para dar um gostinho de que neste caminho eu tenho futuro.

As coisas no trabalho andam instáveis e indefinidas o que proporcionalmente aumenta minha ansiedade e minha vontade de extravasar.

Continuo firme no pilates e tentarei a corrida pela enésima vez.
Meu desafio é passar por um exercício de paciência profunda, esta que sempre faltou perante minha eterna inquietude.







Quem diria que esse nenezão agora tem quase trinta?

Um comentário:

  1. "Pensações" e inquietudes são excelentes!
    Sempre existirão... Curta agora, aos 40, aos 50...

    Tão lindinha desde cedo!

    Bjos,

    ResponderExcluir