quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

O sistema que nos engole a cada dia

É ótimo ter um espacinho só para você desabafar e dizer o que pensa da vida e das situações que acontecem no dia-a-dia.

Ontem, depois de um fato só pensava em passar aqui para falar o quanto somos escravos do sistema.
Sim, a abolição aconteceu há long time ago, mas hoje digo que ainda há escravidão, mas de uma forma diferente.
Não, não estou falando dos coitados dos chineses, indonésios, vietnamitas ou sei lá. Nem dos bolivianos que são escravizados aqui no Brasil e nada de trabalho não remunerado.

Somos escravos do sistema, das situações, onde sem dinheiro não sobrevivemos.
Sim, o dinheiro faz parte da necessidade básica na pirâmide de Maslow, sem ele não comemos, não bebemos, não nos locomovemos.
Mais do que isso, somos escravos das corporações onde aparentemente escolhemos para trabalhar. Temos que aceitar suas regras, sua cultura, suas imposições. E ai de quem se opuser a isso, está fora. Sim, claro, ninguém é insubstituível, sempre haverá outros pobres coitados que estão dispostos a fazer o dobro do que você faz pela metade do salário.

Salário? O que fazer com ele?
Bem, temos que trabalhar para pagar impostos a um governo falho. O dinheiro do nosso suor paga as férias na Tailândia ou a champagne da madame em sua casa blindada.
E, nunca vemos e nem veremos a cor desta grana. Só o desconto ali, na folha do seu hollerith todo fim de mês.
Fora que temos que pagar o VR, o estacionamento, a gasolina (ou o busão para aqueles menos afortunados). Sem contar os pagamentos que são reembolsáveis, o investimento inicial é seu e, depois de reportar centavo a centavo e alguns dias de espera, ele é reposto  na sua conta bancária.
O que sobra, você ainda tem que pagar as despesas da sua casa, sua comida e coisas do tipo.
Sem contar que, a partir do momento em que você sobe na tal pirâmide social, tem que se adequar ao sistema, com o carro do ano, com a roupa adequada, o celular da moda. Estar informado e conectado às merdas das redes sociais para não ficar fora, fazer cursos para ter um bom curriculum. Networking é fundamental, sua vida é uma vitrine.
Todos aqueles rótulos que uma sociedade capitalista e cosmopolita te impõe no mais sepucral silêncio.

Sim, a vida é dura e temos que aceitar isso.
Ou você dança conforme a música, ou é engolido. Não podemos reclamar. E ainda somos obrigados a agradecer por ter este inferno na vida. 
Ruim com ele, pior sem ele.
Fuck!



Estou sem repertório de fotos. Escolhi esta pois acho que muitos aqui já tiveram ou ainda tem alguns desses Créditos: site farmrio

Nenhum comentário:

Postar um comentário