domingo, 22 de janeiro de 2012

Sobre o trabalho no FDS

Hoje pensei que fosse adiantar o trabalho. Trouxe até o computador da empresa prá casa, mas infelizmente (ou felizmente) não rolou...


Diretamente do site: http://icanread.tumblr.com - uma excelente dica para se animar com as coisas da vida

Indispensável na bolsa

O mês está no finalzinho e, consequentemente o meu prazo para a resolução de 2012 também.


Uma das coisas que me impus a fazer é comprar um novo caderninho para ser meu companheiro e me lembrar do que tenho que fazer, que geralmente acabo esquecendo. Além de querer organizar e me planejar melhor na minha vida pessoal que infelizmente no ano passado ficou, digamos, um pouco esquecida.


Resolvi dar uma passadinha em primeiro no Atelier Luiz Fernando Albuquerque, que já comentei aqui
Dá para ver na foto quantas opções tinham e o que me chamou a atenção para esta papelaria em especial era o uso de materiais diferentes para encapar os cadernos, não só o básico tecido, mas borracha, couro, e por aí vai.


Cheguei lá e achei que estava tudo meio debandado, algumas prateleiras vazias, cadernos empoeirados.
Fiquei uma boa meia hora lá fuçando todos os cantinhos e tentando ter um amor a primeira vista àquele caderninho que irá passear comigo todos os dias e nada.


Resolvi sair sem comprar nada e fui até a Portfólio. Lá é maravilhoso, já comprei várias coisas, inclusive foi lá que encadernei meus queridos álbuns de viagem.


O principal da Portfólio é realmente que tudo é de tecido e, de uns tempos prá cá, eles tem feito parcerias com outras papelarias e tem trazido coisas diferentes também.


Confesso que foi um pouco difícil até achar o caderninho ideal, tinha muita estampa de flores, que achei menininha demais para a minha pessoa. Achei um lindo, de chita preta e com cores bem berrantes, mas tinha pauta... Era sempre assim: ou o tamanho não agradava, ou a estampa, ou o formato, ou a maldita pauta.


Depois de quase me render às tais flores, resolvi olhar um pouco mais e, numa prateleira que ficava lá embaixo, encontrei ele.


Colorido, alternativo, diferenciado. A minha cara!


Descobri que esta estampa foi feita em parceria a uma marca do Rio, a Com Lola. Eles se inspiram em equipamentos analógicos como câmera, máquina de escrever... e criam estampas simplesmente ma-ra-vi-lho-sas! O tal caderninho é tão top, que veio até numerado. Super!


Aproveitei e me empolguei em comprar também um porta cartão de visita (este azulzinho aí). Espero distribuir muitos ao longo deste ano. Sempre em grande estilo.







Olha ele aí!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Faxina na Casa e na Alma

Todo ano começa cheio de promessas. Algumas que conseguimos cumprir, outras nem tanto.


Minhas promessas de ano novo ainda não comecei a listar, estou atrasada.
Mas, me dei o prazo de, até o final de janeiro pensar na vida e tentar organizar meus horários para 3 coisas que quero fazer: pilates, corrida e inglês.
Além disso, minhas aulas da Pós acabaram em dezembro, mas terei até julho para fazer minha monografia, esta famosa, que nem comecei a escrever um parágrafo sequer.


Quero fazer uma pequena reforminha no meu apê, estruturar melhor o quarto do escritório, vulgo quadradinho para que tanto eu, como o Du, tenhamos mais privacidade e concentração para focar nos estudos.
Fora um upgrade no banheiro que já está clamando por uma pequena manutenção, novos tapetes para a sala e por aí vai.


Resolvi dar o pontapé inicial com uma ultra-mega-hiper-super faxina em casa.


Minha faxineira tirou férias e eu, claro, entrei em pânico. Por sorte, peguei emprestada da minha sogra a empregada dela para dar um tapa na casa e passar umas roupas.
Ela veio num sábado e eu pensei que fosse conseguir arrumar todos os armários e, inclusive limpá-los por dentro em um dia só. Doce ilusão. Consegui fazer somente 1 da cozinha, meu criado-mudo, o armário da sala e o maleiro do meu quarto. Foi um bom começo.


No final de semana passado, coloquei na minha cabeça de que esta super arrumação teria que continuar e terminar até domingo.


Acordei umas 8h no sabadão, tomei café, pus a roupa adequada e, com panos, lustra-móveis e álcool em mãos, fui tirando tudinho que estava guardado, reavaliando se deveria continuar ali ou não e organizando tudo de novo.


Confesso que demorou e um dia não foi suficiente. Consegui só fazer o restante do armário do meu quarto, o banheiro e os armários do escritório. 
Fiquei em frangalhos. Dor no corpo, nas mãos, unha preta, pé preto. Nem consegui sair de casa de tão cansada que estava. E ainda faltava mais.


Dormi tão mal aquela noite que acabei acordando lá pelas 8h30 no dia seguinte. Mesmo cansada, resolvi seguir com o meu objetivo e comecei pelo quarto de empregada. Estava realmente uma zona, pois todas as sacolas de doação e outras tranqueiras havia jogado lá no dia anterior.


Ainda bem que o Du acabou me ajudando no domingo, não sei se teria conseguido terminar tudo sozinha. E lá limpamos e arrumamos o tal quartinho, o banheirinho de empregada (que, por sinal, estava péssimo) e a cozinha.


Relembrei de tanta coisa que guardei durante estes 2 anos e tanto morando aqui e percebi o quanto a gente acumula tranqueira achando que um dia vai precisar e nunca lembra que está lá.


Pratiquei o desapego, separei algumas coisas para doar para minha querida faxineira. Guardei algumas sacolas dentro do armário só para esperar o dia do Bazar das Amigas para trocar por outra peça de alguém que a tratou da mesma forma e que para mim é como se tivesse comprado algo novo no shopping.


Ainda, prá completar, almoçamos fora no domingão e voltamos com pique total para terminar a faxina.


Faltava só o armário do corredor, aquele que tem de tudo um pouco: canetas, livros, cofre, bugigangas, contas e pastas.


Mal me aguentava em pé, mas ainda faltava aquele. O Du falou: "esse não precisa, arrumamos há pouco tempo", então resolvi tomar banho e aparentemente finalizar.


No chuveiro, fiquei pensando que, depois de toda esta maratona, não podia deixar de concluir a casa toda, abandonando o armário que seja o que talvez mais use.


Já de pijama e banho tomado, resolvi que iria arrumar o tal, para não deixar passar em branco. Ao pegar os livros, vi tanta poeira que, peguei o pano novamente para terminar a faxina de casa.


Esfregando as prateleiras do armário, fiquei pensando o quanto às vezes é difícil irmos até o fim em algumas coisas da vida. E que, superar os desafios, as barreiras físicas e emocionais é o que vai nos colocar um patamar acima e que vai nos dar o gostinho da conquista quando ela vier.


Terminei aquele último armário como se tivesse cruzado a linha de chegada depois de um longo percurso e me senti vitoriosa. Realmente venci a batalha de começar o ano com o pé direito, de abrir espaço para entrar as coisas novas e de doar para quem realmente precisa aquilo que para mim não terá mais utilidade.


Este espírito de superação e persistência é o que quero manter vivo durante este ano de 2012.


Lutar, sempre. Desistir, jamais.



O antes & depois do quartinho de empregada



As queridas roupas e a tentativa de organização nesta esquizofrenia



A sala com o armário exclusivo de copos & bebidas e a recompensa 
de um final de semana de puro trabalho braçal



domingo, 8 de janeiro de 2012

Meu Habitat

Quando a gente é mais novo, quer sair, não pára em casa e fica muito mais horas por aí do que por aqui.


Depois que eu mudei para minha querida casa para morar com meu namorado, isso há exatos 2 anos e 3 meses percebi que minha concepção de ficar em casa mudou bastante.


Em primero lugar, amo minha casa! Longe de mim de dizer que não gostava da casa antiga, mas é que essa é minha (e dele, é claro). 
Passei a ter um espaço maior do que o território do meu quarto, a ter mais responsabilidade, desde deixar a casa limpa e em ordem no dia-a-dia até mantê-la financeiramente.


Lembro até hoje como chegamos aqui. Depois de muitas visitas a apartamentos feios, sujos, sem sol e paredes pichadas, simpatizamos com o prédio e mesmo sem placa alguma de apartamentos vagos, perguntamos para o porteiro se tinha. Ele comentou que no prédio dele não, mas que talvez tivesse no do lado. O segundo prédio é irmão gêmeo do outro, mas melhor. Não só porque é o nosso, mas porque ele tem uma área de lazer que, mesmo que não a usufrua, pelo menos está ali no dia que eu precisar.


Marquei a visita numa segunda-feira e saí mais cedo do trabalho para vir até aqui junto com o cara da imobiliária.
Saí do elevador e já adorei o andar, piso de porcelanato. (Depois descobri que este piso + um espelho gigante só tem no nosso andar!!) Ao girar a chave, percebi que o batente estava com a madeira um pouco arranhada, mas tudo bem.


Quando ele abriu a porta e eu adentrei, senti um negócio.
Todo limpinho, branquinho, o carpete de madeira estava perfeito, e ainda por cima tinha uma sanca de gesso em toda a sala, impecável.
Hack embutido na parede, uma varandinha linda de granito.
Lavabo (um luxo!)
2 quartos + o de empregada
Quarto suficientemente grande para acomodar uma cama Queen
Suíte
Vaga na garagem (é uma só, mas tá valendo)
Chuveiro à gás (sempre quis ter)
A cozinha linda, cheia de armários e prateleiras para colocar meus temperos e potinhos
Uma vista incrível e longe o suficiente do prédio da frente para poder me trocar de janela aberta sem problemas


Enfim, era esse!


O cara da imobiliária falava e falava e eu nem o escutava, só ficava pensando em não demonstrar para ele o quanto eu tinha gostado daqui para ele não aumentar o preço!


No dia seguinte o Du veio aqui e teve a mesma impressão.
Em menos de uma semana, ele já era nosso. Quanta felicidade!


A mudança foi razoavelmente rápida e percebi o quanto de trecos que a gente acaba acumulando nesta vida achando que um dia desses a gente vai precisar, quando na realidade, a gente nem lembra que está lá.


Minha irmã me emprestou a Parati dela e num final de semana eu trouxe minhas tralhas em pelo menos umas 4 viagens.
Depois veio o carreto com o sofá, famoso "caixote", que era da minha mãe e ela gentilmente nos doou.
Ganhamos a geladeira dos pais dele, a máquina de lavar roupa (minha fiel companheira!) dos meus pais, o microondas da minha irmã e a torradeira da irmã dele.
Como foi perto do meu niver, naquele ano ganhei de presente um monte de coisas para casa.
Herdamos o sofá (como já falei), o fogão já tinha (pois ele é embutido), trouxemos nossa TV de tubo do quarto e ele comprou a cama, a tal cama box que ele tanto queria com o colchão ortopédico, que simplesmente é a melhor e mais cheirosa do mundo!
Como já sabia que íamos mudar em breve, fui olhando as oportunidades e comprei algumas coisinhas de cozinha, além de ter ido ao Pari e à Etna algumas vezes.


Fora os souvenirs que compramos na nossa viagem à Europa já pensando na nossa futura casa.
E sem contar minha mãe e sogra queridas que vira e mexe me dão alguns acessórios indispensáveis para casa.


Enfim, mudamos sem ter praticamente nada, só o suficiente para para sobrevivermos.
Internet, telefone fixo, TV à cabo, era simplesmente luxo.



Fomos aos poucos comprando as coisas maiores, mesa de jantar, trocamos o sofá, armário e por aí vai...


Foi assim que tudo começou.


2 anos e tanto depois vejo nitidamente o quanto evoluímos juntos, nossa casa está 100% montada, tem a nossa cara e é linda.


Neste início de ano, resolvi me dedicar ainda mais à minha casa querida e já comecei a fazer faxina em tudo. Está na hora de renovar aquelas coisas que estão guardadas, reciclar e abrir espaço para as coisas novas. Serão muito benvindas!




A vista - dia & noite



A sala (a foto é um pouco antiga, já mudaram algumas coisas)



Lavabo - detalhe das fotos que tiramos nas nossas viagens e o espelho eu que fiz com jornal italiano


P.S.: aos amigos e família que quiserem vir, venham mais e venham sempre! Sempre vai ter uma cerveja gelada e um queijinho brie prá petiscar! :)