sábado, 24 de setembro de 2011

Ganhei um iPhone!

Realmente estes últimos dias tem sido prá lá de corridos.
Não que os outros demais dias do ano não sejam, mas estes bateram o record.
O que é ruim com tudo isso é que acabo deixando minhas coisas de lado e, quando chega o fim de semana, só quero saber de preguiça e descansar.

Tenho estado ausente do blog, mas diariamente penso nele e nos temas em que gostaria de comentar, tais como o lixo que os fãs deixam nas calçadas depois de longas horas de espera na fila pelo show, o dia mundial sem carro (o qual há 4 anos atrás bati o meu exatamente nesta data!), minha viagem à Porto Alegre (pelo menos postei o pôr-do-sol incrível), minha caricata professora de Semiótica, como as pessoas são estranhas e por aí vai.

Há pelo menos 2 semanas atrás ganhei um presente de aniversário antecipado do meu amor: um iPhone. Estas semanas passaram tão rápido que já parecia que o tinha há meses!

Estava resistindo muito antes de me render ao mundo Apple, pois aparentemente o único detalhe que não me agradava no tal gadget é o tamanho, gigante comparado ao meu infame Xperia Mini.
Saí feliz da loja da TIM por ter me livrado das contas abusivas da Claro e pela sacolinha que carregava na mão. Não via a hora de ficar mexendo e configurando o meu novo brinquedo!

Posso afirmar que minha vida mudou com-ple-ta-men-te depois deste dia. Este retângulozinho é tão prático, tão útil, tão demais que meus preconceitos com relação ao seu tamanho caíram por terra.
Consigo ficar em dia com meus emails, ou pelo menos lê-los mesmo que não os responda.
Acesso a internet a qualquer hora, em qualquer lugar (quando o 3G colabora, né?!). O trânsito nunca mais foi tão chato assim. Baixei vários aplicativos, tais como Viber, Voxer, Whatsapp, Skype, sei lá para que tantos canais de comunicação. Tenho certeza que mal vou usá-los, mas eles estão lá.

A parte que tenho mais curtido é a de foto. Diversos aplicativos diferentes não só para fotografar, mas para editar imagens. O Instagram é muito legal também, mas confesso que não quero participar de muitas redes sociais assim, pois meu tempo é precioso e não dou conta para dar tamanha atenção para este Grande Outro que tem demandado muito de todos.

Instalei o Foursquare pois uma amiga me ensinou como explorar os lugares das suas redondezas e me pareceu bem útil. Check-in? Nem pensar! Meu namorado e minha irmã viraram meio escravos disso, quem é o mayor, o mais popular, o que está em todos os lugares e ao mesmo tempo em nenhum. Não rola.

Mas o que mais me encantou aconteceu nesta 3ª feira durante minha aula de Semiótica. Ela falava e falava de um tal autor de um tal poema de 5 linhas, famoso no pré-modernismo e tal... Cliquei no Safari, fui para o Google e em 5 segundos lá estava o poema. Li e consegui visualizar quem era o fulano e o quão inusitado realmente era o poema naquela época. Passei meu celular pela classe toda e todos puderam ver o que nossa professora tentava explicar somente com palavras.

Esta interação dos gadgets com os humanos a cada dia será mais intensa. Este celular é a porta para acessar um mundo infinito de possibilidades em qualquer lugar, a qualquer hora. O conhecimento e o ensino não serão mais os mesmos. Estamos vivendo uma era de transição, transição esta que só conseguiremos explicar daqui a alguns anos.
Estranheza? Sim, um pouco. Mas a palavra que melhor define é excitação.

Aguardem que o 5 vem aí.
(Só espero não virar mais escrava do sistema do que já estou)




iPhone 4: um falo e tanto!

Nenhum comentário:

Postar um comentário