quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Uma Marca prá lá de Apimentada

Marcas, marcas, marcas... No mundo Pós-Moderno, vivemos rodeados por elas constantemente.
Dizem que você consegue descobrir a personalidade de uma pessoa através das marcas que ela usa. Elas foram humanizadas, se relacionam diariamente conosco, transmitem valores e dizem muitas coisas através de suas entrelinhas.
Tenho sim algumas marcas do coração, as quais me identifico. Gosto bastante da Adidas, especificamente a linha Originals. O meu apreço por esta marca esportiva (que meus chefes da Alpargatas não me ouçam!) começou quando treinava basquete no colégio e até hoje a admiro.
Gosto também da Farm, não só porque adoro suas roupas e acessórios, mas pelo jeitinho carioca que ela transpira, desde suas coleções, layouts de loja, até campanhas e mídia online.
Mas a marca que admiro e que selecionei para abordar é a Chilli Beans.
Acompanho sua trajetória de sucesso desde quando seu precursor, Caíto Maia, trazia os óculos de sol da China para vender num simples stand no saudoso Mercado Mundo Mix na Barra Funda.
A escolha do nome em inglês, Chilli Beans, permitiu que desde o início remetesse a uma marca global. A pimenta como ícone, demonstra sua forte personalidade através de um significante da culinária que é apreciado pelas pessoas mais ousadas.
A primeira loja aberta foi a da Galeria Ouro Fino, reduto dos "clubbers", adeptos ao top selling item: óculos de lentes amarelas estilo Bono Vox.
Desde que seu idealizador anunciou que não vendia óculos de sol, mas sim acessórios de moda, muitas portas se abriram. Seu posicionamento permitiu o que aconteceu alguns anos depois: fazer a extensão da marca para linhas de produto como relógios, bonés, óculos de grau, sempre refletindo as últimas tendências de moda.
Seus concorrentes não eram só as marcas de óculos de sol, mas sim todas as marcas de acessórios de moda do mercado. Desde Ray Ban e Swatch até fivelas coloridas competem diretamente com Chilli Beans. Num cenário mais amplo, roupas, calçados e serviços de beleza podemos julgar que concorrem com a marca da pimenta.
As raízes da Chilli Beans estão nas baladas de música eletrônica, movimento underground, principalmente nas festas rave. Seus quiosques e lojas até hoje são pontos-de-venda de ingressos antecipados para eventos deste perfil.
Seus adeptos desfilam com os produtos a um preço acessível. Todos que querem se sentir mais fashion de uma forma irreverente a um bom custo-benefício são o alvo de Chilli Beans.
O novo, sempre presente na marca, transpira nos pontos-de-venda. O modelo aberto, sem portas e vitrines convida o consumidor a entrar e experimentar os produtos sem constrangimentos por conta do vendedor, que também é jovem e fala a mesma língua do seu público.
Com o boom da China, a marca se preocupou em investir em tecnologia e, principalmente provar para seu consumidor de que seu produto entrega qualidade além do visual. Sua preocupação é sempre estar um passo a frente.
Foram instalados testes de raios UVs em todas as lojas, estratégia fundamental para trazer ainda mais credibilidade e diferenciação perante as outras marcas que copiavam seu modelo de negócio. Outra inovação foram os espelhos inteligentes que “fotografam” a pessoa em diferentes ângulos, além de coroar seu pioneirismo lançando vending machines para comercializar seus produtos nos pontos mais inusitados possíveis.
A escolha dos franqueados é bastante cautelosa, há um longo processo a ser seguido até que sejam homologados. Necessariamente tem que respirar a marca e se identificar com ela. Seus funcionários não fogem à regra na hora da contratação. Seu ambiente interno é bastante descontraído e a decoração do escritório reflete o estilo cativante da marca.
A estratégia de comunicação da Chilli Beans sempre transmitiu com linearidade ao longo dos anos a sua essência de ser provocante, envolvente e fashion com campanhas polêmicas com cenas de pin-ups em posições sugestivas, fotos com zoom nos olhos de diferentes animais que causavam estranheza e ilustrações modernas com mulheres levando objetos à boca de uma forma, digamos... bem apimentada!
Os patrocínios envolvem festas de música eletrônica e bandas que estão no topo das paradas internacionais. A marca também se envolve com esportes radicais, tais como skate, surf, donwhill, corrida, entre outros. Todos seus investimentos convergem às raízes da marca, afirmando a todo momento seu posicionamento jovem.
Suas parcerias, e co-brandings não fogem à regra, são cautelosamente selecionados nomes hypes da moda em coleções exclusivas e desejadas.
Num mundo globalizado, onde as tendências e tecnologias evoluem à velocidade da luz, a Chilli Beans não deixa seu consumidor esperando por novidades. Inspirado no conceito fast fashion, toda semana tem lançamento nas linhas de produto. Anteriormente, seu posicionamento de preço era de até R$100, porém de poucos anos para cá (principalmente balizado pela ascensão do consumo da Classe C) os valores ultrapassaram este patamar, sem deixar de serem acessíveis.
Como curiosidade, todos os preços sempre terminam em “8”, por superstição do empreendedor Caíto. Talvez seja este o segredo para tamanho sucesso.

Very hot, hum?!

Um comentário:

  1. To super ausente nos comentários mas leio imediatamente sempre que percebo que tem algo novo.
    Adooooro seus textos! Sempre excelentes de ler e muito, muito, inteligentes.
    Saudade de vc!
    Farei uma série de viagens na próxima semana, mas precisamos marcar algo aqui em casa ein?
    1555 beijos,

    ResponderExcluir